terça-feira, 11 de novembro de 2008

17.Deu na Folha de São Paulo e estou no Amazonas.




O blog saiu na Folha de São Paulo e eu estou aqui no Amazonas, para ser mais exata no Hotel Ariaú, um hotel flutuante no Rio Negro. Não consegui ver a metéria ainda, papai me mandou por email mas no papel, não.
Fui criada aqui em Manaus, e qualquer convite para vir até aqui fico bem facinha e venho correndo, a passagem é cara pra danar e eu vim fazer uma das coisas que mais gosto na vida: ver filmes (estou no Amazonas Film Festival) e comer pacú. E é claro, ver minha irmã, cunhado e sobrinhos, além da tia Paulinha, que me espera sempre com uma cerveja bem gelada e um pacu pronto. Um não, 3.
Quando decidi vir, minha mãe, claro, vai fazer o quê, e se pegar gripe, é calor e úmido e os mosquitos, e blá, bla, e depois, vai mesmo minha filha, beijo pra todos e eu fico com a Elisa. Oba. Então, eu vou, eu vou, pra casa agora eu vou!
É muito bom voltar pra terrinha numa hora dessas. Comer peixe, nadar no Rio, o sabor, o sotaque, tudo remete a infância, quando todos nós somos invencíveis. E tudo que quero neste momento é me tornar invencível!!!
E foi uma decisão acertada. E recomendo.
Não sei se é porque em Manaus tudo é super, o mosquito é enorme,o Rio Amazonas é enorme, o Jacaré é enorme, o céu é enorme, mas estou enorme, renovada.
Quando vivemos uma situação que temos que nos superar, acho que devemos ir em qualquer lugar que nos remeta à infância, a cidade, o bairro, a rua, a música, qualquer lugar ou momento em que a gente encontre a invencibilidade que sentimos um dia, vire quase um super herói.
Cheguei aqui e ainda não deu pra fazer tudo que eu gostaria. Falta tomar o tacacá, comer tambaqui na brasa com farinha, tomar guaraná regente, e çomer cupuaçu até.... bom.
E dizem que graviola faz bem para quem tem câncer. Vou cair de bôca, e sem nenhum esforço feito as linhaças, couves, espinafres e etc que me obrigam a tomar no suco de manhã.
O legal deste Festival é que vim para cá com pessoas que fui conhecendo ao longo da minha vida no cinema, e fico num orgulho danado de mostrar a Manô de mil contrastes. Gustavo, Neville, Zita, Tetê, Di Moretti, Serginho, Caio, Torquato, Mateus, Chico e muitos mais.

Agora com licença, vou comer um tucumã.
Mãe, pode deixar, levo pra você.
Ah, em tempo: mergulhei no Rio Negro careca e foi maravilhoso! À partir de hoje dei adeus à peruca, me achei linda careca e com batom bem vermelho. No Amazonas, pra mim, tudo pode. Nada pode ser mais diferente do que a própria cidade e arredores.

9 comentários:

rosario disse...

Olá Clelia, seja bem-vinda ao clube regado de esperanças,Fé e cura! tb sou paciente,tb tenho um blog,tb tenho filhas... mas não tenho uma mãe presente com a sua.A minha nem sabe ou melhor não quer saber que tenho cancer.Adorei a reportagem na folha, e eu tb sai na folha como paciente que dão a volta por cima , que conseguem voltar a trabalhar. Eu aindanão consegui, mas está lá o meu depoimento de força!o meu blog quando puder visitar-opresentedopresente.blogspot.com-
Abraços apertados! E curta bem sua viagem...

clelia disse...

Oi Rosario, vou dar uma olhada no blog com certeza. Obrigada pela força, e pra vc também, eu não parei de trabalhar, a'liás, este blog está me dando um trabalhão, rsrsrsrsr. beijos, Clélia

Carlos José disse...

Fazia tempo que eu não te "visitava" e estava com saudades... Adorei o post sobre o congresso na Bahia... Voltarei por aqui em breve. Obrigado por tudo isto! Você tem noção como ler você pode nos ajudar? Beijos, Cacá

Gessé disse...

Olá Clélia.

De moleque - faz muito tempo - fui em Manaus.
Entre seus enormes, a chuva.
Começava a chover, colocava sunga, me deixava molhar em gotas grandes, torrentes a me ensopar.
Sai lavado.
De moleque, na Igreja cantavam: "chuvas de bençãos teremos..."
De adulto, descobri no seu blog outra margem do rio.

Gessé

Pollyana Ferrari disse...

Na selva Amazônica! Perfeito Clélia. Abrace árvore que faz bem. Sua entrevista ficou muito boa na Folha de S. Paulo, autêntica e cheia de vida. Que bom que gostou do meu blog (remixnarrativo). Hoje tem história nova, acho que vai gostar - Árida Lei é o título.
bj

Saleyna Borges disse...

Adorei suas palavras.
Sinta-se abraçada por seus irmãos amazônidas.
Ser daqui é realmente uma experiência única e gratificante, rsrsrs.
Beijos...baré, tucumã, pacu, jaraqui, maninha... vixi, olha só, é mermo!!!!!

Bruna disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Bruna disse...

Quanto sentimento em poucas palavras, me tocou, comoveu, encheu de orgulho... me deixou feliz!
Um beijo

clelia disse...

Rosário, Carlos José, Gesse, Polyanna, Saleyna e Bruna: muito obrigada pela força e pelo carinho. Faz muito bem ouvir tanta coisa bacana. Bjs