sexta-feira, 28 de novembro de 2008

25. O que Fazer? Sem Censura


Ontem, dia 27/11, fui no programa "Sem censura", da simpática Leda Nagle. Trabalho com televisão, cinema e afins há mais ou menos 20 anos, já vi e fiz muita coisa mas realmente tenho um apego especial pelo "Sem Censura" e acho a Leda Nagle, com sua voz rouca um charme e simpatia. Desde criança (será?), ok, adolescente, assisto este programa e acho um barato a babel que ela faz entre os entrevistados. Tem de artista de circo a empresário, passando pela dona de casa e pela celebridade, e na maioria das vezes dá certo, a diversidade é a alma do programa, e a condução dela é incrível! Leda Nagle para Secretária de Estado! É muito hábil na capacidade de juntar todos que mal se conheciam quando entraram naquele estúdio. Saímos de lá quase amigos, até me apeguei. Além disso, tinha a presença de um médico da Sociedade Carioca de Mastologia, e fazíamos uma dupla muito próxima de outras que já conhecemos, ele era a tese e eu a prova.
Bom, fui lá falar do blog e foi bacana, me dei conta de que é isso que tenho que fazer entre a quimio e a cirurgia. Escrever bastante, porque agora virou vício dos bons, e fazer uma seleção do que vai ocupar meu tempo daqui pra frente. Percebi que o câncer dá muito mais livre arbítrio!
Deixar de subterfúgios, eles realmente enfraquecem a vontade e acabamos nos rendendo a posições nem sempre confortáveis para a nossa vida e nem sempre a que queremos. É exatamente o "engolir sapo". Este exercício te dá a chance de falar o que quiser com a calma e tranquilidade de um monge budista, sem streess.
Não precisa ter opinião sobre tudo, mas se colocar sobre tudo que incomoda é muito bom.
E não se preocupar se está sendo egoísta ou não. É bom proferir sempre as palavras mágicas: primeiro eu, segundo eu e terceiro eu. Ah, e depois eu.

3 comentários:

Anônimo disse...

F. Perls (GT) disse, sabiamente:

Eu sou eu, você é você.
Não estou nesta vida para atender as suas expectativas,
Nem você está nesta vida para atender as minhas expectativas.
Eu sou eu, você é você.
Se acaso nos encontrarmos, será lindo.
Se não, não há nada a fazer.

Ótimo dia e fds.

Laís

Regina Mizrahi disse...

Adorei ler tudo que escreveu, além de ser fã do programa Sem Sensura eu também tive câncer de mama e continuei a viver e muto bem obrigada. Descobri que tenho mais amigos do que imaginava e não deixei de rir nunca.
Bjs

Jê disse...

Clelita,
No proximo avisa antes .
Bjk