segunda-feira, 3 de novembro de 2008

14. Quero minha caminha.... PARA PULAR!!!!

Então, antes de passar pelo Guerra e pela Silvinha, estava falando da minha primeira quimioterpia, ou aplicação, como queiram.

Saímos da clínica e instalou-se um silêncio sepucral entre eu e minha mãe. Ninguém ousava falar nada, ela não perguntar e eu não falar nada para não me sugestionar.

Fomos para casa, e chegamos lá minha mãe soltou toda o seu lado mãe que estava represado até aquele momento. Clélia quer isso, quer aquilo, vc está bem, ta enjoada, fome, está frio, quer que mamãe durma aqui, e etc, etc, e etc. Pára mãe, calma, a doente aqui sou eu! Relax! Está me deixando nervosa! Foi o que ela fez e meia hora depois já estava abalotada na minha proltrona com a minha gata marie, pedindo para colocar o computador no jogo de buraco, e me dá agua, tem coca zero, cadê o controle, o que vamos jantar? etc, etc, etc. Aí eu falei: Pára mãe, a doente aqui sou eu ! E caímos na gargalhada.

Eu estava ansiosa antes, mas agora estava em alfa, como se eu tivesse prendido a respiração pelas 2 horas que fiquei lá e estivesse respirando agora. E o que é melhor, não estava sentindo nadica de nada! Nem enjôo, nem náusea, nem dor de cabeça, fome ou falta dela, tudo normal. Normal até demais. Achei que ia sair vomitando na recepcionista, depois no manobrista do estacionamento, depois no porteiro do meu prédio e na Rai, coitada, que ia abrir a porta de casa, e de quebra na nossa gata marrie. Um horror.

Então, pense comigo agora: cada um é cada um! Ham, ham. Tem gente que sente tudo isso e outras não. Eu sou da turma do outras não, ainda bem. Mas o legal é você nao achar que você vai reagir que nem as histórias que você ouve. Porque só contam isso, dos efeitos colaterias da quimio, do que sentiu, só se ouve coisa ruim, e ninguém conta que não sentiu nada. Você já ouviu no jornal: terremoto mata 200 mil pessoas na China, mas não ouve: terremoto deixa de matar 1 millhão e oitocentos mil pessoas na China, não é mesmo?
Confesso, já senti ressaca muito pior do que a primeira quimio, cruzes, só de pensar fico arrepiada.
Tem muita coisa que conta pra que isso ocorra. O seu remédio pescrito, o seu organismo, seu oncologista, e sua cabeça. É uma análise combinatória. E fica mais fácil agora, que os remédios são mais modernos e os oncologistas sabem que não é preciso matar só o tumor, mas te deixar em condições para ajudar a se curar.
É claro, sou uma sortuda, tudo bem, mas tem um monte de gente sortuda por aí que ja ganhou no bingo um monza ou uma galinha assada, ganhou na loteria, ou achou o grande amor, e por aí vai. Eu nunca fui uma dessas, gastei minha sorte na hora certa.
Em casa, começam a ligar e chega minha amiga/marida/sócia RRRRRRRRRRRRRôse. A preocupação dela, além da minha saúde, claro, era a peruca . Hilária. Ela não sossegou enquanto não escolhemos uma e ela providenciou, depois de perguntar para um monte de cabelereiro qual era a melhor, o que eu achei maravilhoso. Depois conto sobre o cabelo, careca, peruca etc, vale uma postagem.
Eu não senti nada e muitas vezes pensei: caraca, será que isto está funcionando mesmo? Outras vezes fiquei até culpada... louca eu.

Tem a alimentação também, claro. E eu adoro uma rabada com agrião, um pato no tucupi, uma picanha mal passada, sou da turma da pesada, mas a aRai me acorda com sucos que eu nem ouso perguntar o que tem. Sei de uns: couve com espinafre, suco de laranja, linhaça, um pouco de beterrada, gengibre e um pouco de mel. Tudo junto.É de lascar. No mais, uma alimentacão saudável, nada muito pesado, o tradicional grelhado e muito verde, assim, como se você estivesse: doente!

E na hora de dormir, ao invés de querer minha caminha pra deitar e curtir a fossa da minha primeira quimio, queria memo a minha caminha pra pular, feito a Meryl Streep no Mama Mia.... de alegria.
E minha mãe dormiu aqui e dormimos todas bem tranquilas, eu, mamãe, minha filha Elisa, a Rai e nossa gata Marrie. Merecíamos.

4 comentários:

Juliana disse...

Clélia, parabés pelo blog. Está muito, muito bom!

Miriam disse...

Olá,Clélia.Adorei seu blog.Muita coragem e força!Também tive um cãncer ( de Tireóide)mas as situações que experimentei em ralção aos amigos foram bem parecidas.Acredito que agindo assim "sem medo de ser feliz" podemos ajudar a muitas pessoas e principalmente a nós mesmas...
Muita luz para vc nessa caminhada.beijos,miriam

Anônimo disse...

Clélia, fiquei feliz em ler o seu blog que bem retrata a sua fortaleza de espírito. Um abraço e muito carinho. Marlene

Fran disse...

Clélia, seu blog tem me dado muitas forças para enfrentar o cancer da minha mãe. Ela começará as aplicações na segunda e estamos na fase da tensão. Tenho passado para ela algumas frases suas daqui, como a da uva passa e as dicas do cabelo, e tem lhe feito muito bem.
Obrigada, vc vale ouro.