quinta-feira, 28 de maio de 2009

71. A GENTE NÃO QUER SÓ COMIDA, A GENTE QUER GENTILEZA TAMBÉM!


Aqui no Rio tem um Supermercado que fica ao lado da minha casa e que tem o pãozinho francês mais gostoso da cidade, que não é de boutique, claro. Pão de boutique é aquele que vem num filó, grão especial, e tal e coisa, quase uma jóia. Não que eu não goste, adoro! Mas fico quase constrangida em comprar, o preço é bem maior que o pão nosso de cada dia e penso logo: engorda, vai de retro e pronto, esqueço o assunto.
Voltando a vaca fria. Minha filha estuda de manhã bem perto de casa, umas tres quadras ou seja, ponto a ponto. Sobe no ônibus em frente ao nosso prédio, é o tempo de pagar e descer. Mas mãe é mãe, fico com peninha e acabo levando de carro, tomamos (ela) um café juntas, vamos batendo um papinho, falando bobagem e sei que ela gosta, apesar de morrer de vergonha do nosso carro Clio-Renault-azul-desenho-animado-já cheio de batidinha (garagens apertadas!) que nós serve com garbo. O fato é que na volta, na maioria das vezes, eu passo neste supermercado que tem também um café da manhã delicioso. Sento lá, toma um café com o pão fresquinho e vejo o Bom Dia Rio na companhia silenciosa de algumas pessoas do bairro, gente que está indo pro trabalho, outros voltando da ginástica, a maioria na companhia também do jornal impresso.
Já fizemos“quase" um grupo, e as atendentes já sabem o que eu quero, oi como vai, e sua mãe, melhorou? E o dia fica bem mais fácil assim.
Mas....
Nas quartas feiras tem a minha terapia (sim, vocês acham que eu me aguento?!) e sempre que posso vou de bicicleta, faço um exercício básico e vou olhando a paisagem. Em frente ao consultório da minha terapeuta tem um Supermercado igualzinho ao meu, da mesma Rede, do mesmo dono, da mesma cor e com o mesmo suco e pão. Bom, bicicleta+ sede= água, antes de entrar no consultório fui até o supermercado toda facinha, coração aberto, cheia de amor pra dar e peguei um suquinho. Onde paga? Ali minha senhora, 5 minutos esperando “alguém que foi buscar uma coisa ali rapidinho e já volta”. Chega a dita cuja. “ A senhora não tem nota menor não?” Menor que R$ 10 !!? Ah, então espera aí, ih errei, chama a supervisora, e lá se vão 10 minutos, 12 e finalmente chega o troco e o meu suco já tinha acabado. Já estava com um atraso de 10 minutos. Mas o que me irritou mesmo foi a grosseria da atendente com os olhos pintados no estilo “Caminho das Índias” , que falou comigo com a doçura de um pitbulcomo como se eu tivesse lhe feito alguma coisa que não sorrir e ainda olhava para todos os lados, menos pra mim a quem ela atendia!
Perguntei, ainda calminha: “meu bem, vc está com algum problema?” Ela responde: “estou meio doente...porra” (que saiu sem querer, claro, mas saiu)! Eu fiquei um pouco atarantada e o máximo que eu falei foi “então você não deveria estar trabalhando” e fui embora.
Subi para a terapia e lá no meio da sessão estava chorando, aquela moça tinha me magoado e eu me deixei magoar, eu não consegui reagir na hora, afinal ela estava ali no batente e eu de bicicleta no Leblon (bairro nobre do Rio) indo fazer uma terapia, culpa cristã misturada com uma certa vulnerabilidade “tepeémica”, apesar de estar precocemente ou temporariamente na menopausa. Ali na terapia comecei a reagir, ora porra, e o que eu tenho a ver com isso? Na posse do meu estado emocional normal, sai da terapia, atravessei a rua e entrei decidida supermercado adentro e já não tão maternal para as 8 horas da manhã. Minha filha, olha só (olhando bem nos olhos de Maya dela), ta vendo o meu cabelo bem curto? Ta vendo a minha sobrancelha bem rala? Ta vendo esse peito bem maior que o outro por debaixo da minha blusa? Ta vendo esse cateter que me impede de usar camisetas mais ousadas para não ter que explicar que porra é essa? Pois é dona Suria, Xirad, Shankar, Opach, sei lá o que, pois então, você não tem idéia de como estou (estive) doente, do que eu passei nos últimos meses e o que vou encarar pela frente e você não vai me deixar pior nem um tiquinho a mais! E trate de chamar a sua supervisora porque é inadmissível que alguém trabalhe doente neste estabelecimento! Ah, e pra seu governo, vou sair daqui e encarar no mínimo 10 horas de trabalho! E não vou sair mordendo os outros por causa da minha dor particular! Ela com os seus olhos arregalados de Raj ou Bahuam, me pediu desculpas e disse que não tinha tido a intenção e etc. Ali pude falar pra ela que ela não podia despejar sua raiva do mundo na primeira pessoa que aparecesse na frente, que todo mundo tinha problemas e que ela tratasse de ir ao médico pra ver o que diabos ela tinha.E saí andando, bem mais leve do que entrei, sem antes dizer: e trate de fazer o auto-exame! Fui! Subi na bicicleta feito num cavalo azulão rumo ao meu forte apache, sem antes dar uma paradinha e apreciar uma paisagem bonita.
Já chegando em casa, passo no meu supermercado preferido e entro rapidinho para conferir o alto astral daquele lugar e encontrar minhas amiguinhas atendentes de sempre. Ufa! Estavam todas lá, sorridentes, e aí, bom dia, apareceu tarde hoje e pronto, já melhorou o meu dia.
Estava mega atrasada, mas queria começar o dia novamente e consegui. Pequenas vitórias fazem a gente ganhar uma guerra, e esta minha guerra particular eu não vou perder.

10 comentários:

Anônimo disse...

valeu a catarse ...ehehehe

Menina Robô disse...

Jamais iremos perder,
só se quisermos... =D

Bjokas =*

Kariny

Solange disse...

Oi amiga querida,

Pensei que só eu que sentia essas coisas... eu concordo com vc acho q temos que dar o melhor de nós, tbem detesto cara feia e acho q bom atendimento é tudo.

Bj no coração,

Solange

Regininha disse...

Isso mesmo, concordo com vc.
bjbj

Mylla Galvão disse...

Que texto lindo!!!
Seu blog me chamou a atenção em outro blog que eu acompanho: "Menina-Robô!!!
Que força de vontade a sua, de contar a todo o mundo a sua doença e a sua luta pela vida!!!
Gostei tanto que vou passar a te seguir!!!
Se quiser venha me visitar!
http://vidaslinha.blogspot.com e
http://ideiasdemilene.blogspot.com

Bom fim de semana!!!
Bjs

Felipe disse...

Porra, e no fim da estória, esqueceu o pãozinho???rs

Foi bem dada essa! Cois que sei fazer é separar as coisas. Mesmo que me isole por nao conseguir separar, mas descontar, nao faço!

Beijao

Rosario disse...

Olá Cleilia, eu tb me sinto assim, e especialmente esta semna que minha médica viajou, e meus marcadores aumentaram e outras coisinhas a mais... Liga pra mim o médico d eplantão da equipe totalmenete estressado as 20hs., para me pedir calma.. eu vou te falr eu fiquei FULA da vida! Estou empé de guerra esses dias e a tolerancia está zero negativo. No geral apesar de tudo que anda me acontecendo levo um sorriso no rosto... Bjs.

cayo disse...

Ela aprendeu uma coisinha muito importante neste dia. Vc fez bem a ela. heheheh

cayo disse...

...ia esquecendo
como eu gostaria de andar de bicicleta aqui em Manaus...
mas com os nossos motoristas e o sol, que deve ser maior aqui no norte, fica meio impossível...

Wagner Sarchis disse...

Vc eh genial! Preciso fazer algumas coisas parecidas com essa que vc fez!